33º Feira do Livro de Canoas
Prefeitura de Canoas

A FEIRA DO LIVRO

Patrono

Nascido em Porto Alegre, Demétrio Alves Leite é professor de História, escritor e pesquisador. Formado no Centro Universitário La Salle, leciona no ensino público e atua, entre outras funções, como alfabetizador, poeta e fotógrafo.

Patrono Demétrio Alves Leite
História

Lançada na década de 80, a Feira do Livro teve sua segunda edição em 1986. A partir de 2009, a área foi estendida até a Praça da Bandeira, o que uniu a cidade por meio dos livros, já que estes locais são divididos pela linha do trem.

Foto Feira 2016
Cidade Homenageada

A cidade de Guaíba transborda cultura e história em razão de seus sítios arqueológicos representativos da cultura guarani. Há realatos históricos de que populações indígenas teriam vivido entre 10000 e 6000 a.C. na região do município.

Foto da Cidade de Guaíba
Escritor Homenageado

Ziraldo Alves Pinto nasceu em 1932 em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 1950 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro, Folha de Minas, entre outros veículos consagrados.

Ziraldo Alves Pinto

Nascido em Alegre, em 1950, Demétrio Alves Leite é professor de História, escritor e pesquisador. Formado no Centro Universitário La Salle (Unilasalle), Leite leciona no ensino público estadual e atua como alfabetizador, poeta, fotógrafo, além de assinar uma coluna no jornal Folha de Canoas. Sua linha de pesquisa gira em torno de assuntos ligados à genealogia açoriana, tribos indígenas da região do Pampa e história regional e local, em especial de Canoas e Alegrete. Como escritor, Leite publicou os livros “No Percurso dos Antigos Caminhos - A História de Canoas”, “Sesmaria Santo Ignácio ou Isabel”, “Vida e Pensamento do Autor Marcolino da Costa Leite”, além de publicações em livros e coletâneas de poesia e história.

Como patrono, Leite terá a missão de propagar o espírito do evento, além de, durante os dias da Feira, ser o anfitrião dos visitantes, dos escritores e das escolas que passarão pela Praça da Bandeira. O nome do historiador já havia sido escolhido formalmente pela comissão da Feira do Livro de Canoas em fevereiro, mas foi oficializado após a entrega do convite formal   

“Estou muito feliz e honrado com o convite. Já estou me preparando para a maratona prazerosa que será durante a feira”, diz Leite. Durante o evento literário, o escritor já anunciou que irá lançar um novo livro que trata da história e do turismo em Canoas.

 

Clique para ocultar a área de informações

Lançada na década de 80, a Feira do Livro de Canoas teve sua segunda edição em 1986, ocorrendo sem interrupções nos anos seguintes. No início, ocupava uma área de 2.250m² na rua Tiradentes (Calçadão). A partir de 2009, a área foi estendida até a Praça da Bandeira, o que uniu a cidade por meio dos livros, já que estes locais são divididos pela linha do trem. Naquele ano, foram incluídas na programação atrações e debates.
Desde 2015 a Feira do Livro ganhou um novo endereço: a Praça da Bandeira, no centro de Canoas. O evento é realizado durante 15 dias, com atividades distribuídas nos três turnos, com início no mês de junho, mês do aniversário de Canoas.
Em sua 33ª edição, a Feira do Livro de Canoas continua a ocupar o ranking de 2ª maior Feira do Livro do estado do RS, em número de atividades desenvolvidas.
A Feira faz parte do Circuito Nacional de Feiras de Livro da Fundação Biblioteca Nacional e Ministério da Cultura.

FOTO 1  
 
Clique para ocultar a área de informações

No atual território do município de Guaíba, encontramos sítios arqueológicos representativos da cultura guarani. Segundo Laroque (2002), a primeira e mais antiga tradição localizada nos campos abertos ao longo da borda do rio Sinos, Caí, Taquari, Pardo, Jacuí e Laguna dos Patos é a tradição umbu, conhecida também, como o povo da flecha. Estas populações indígenas teriam vivido entre 10000 e 6000 a.C.
Os guaranis, pertencentes à família linguística tupi-guarani e portadores da tradição ceramista tupi-guarani, ocupavam as várzeas dos grandes rios, como o Uruguai, Jacuí e seus afluentes ou junto à Laguna dos Patos. Eram horticultores e ótimos ceramistas, mas também se dedicavam à caça e à pesca, além de praticarem a antropofagia.
É possível afirmar que, nas terras onde temos o município de Guaíba, ocorreram muitos confrontos entre índios e colonizadores, tanto espanhóis como portugueses. Estas populações sofreram violenta redução demográfica, lutando por seu espaço. Porém, o avanço colonial e nacional os empurrou para a desestruturação cultural e a redução física de seu território, causando sérias consequências que atingem seus descendentes até hoje.
A disputa de fronteiras travada nos domínios sul-americanos entre Portugal e Espanha envolveu, também, a área que compreende o atual município de Guaíba. A distribuição das sesmarias foi um sistema utilizado pela coroa portuguesa durante o Brasil Colônia, para que terras devolutas, no sul do Brasil, fossem ocupadas. O sesmeiro, de origem portuguesa ou açoriana, deveria ocupar as terras com a criação do gado vacum, cavalar e muar, erguer a sede da sesmaria e benfeitorias como olaria, charqueadas, galpões, senzalas, capela, cemitério e arvoredos. Além de organizar economicamente suas terras, deveria também defendê-las militarmente a favor de Portugal a fim de evitar a ocupação espanhola e guarani.

   
Clique para ocultar a área de informações

Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outubro de 1932 em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro, Folha de Minas, etc. Além de pintor, cartazista, jornalista, chargista, caricaturista e escritor, Ziraldo explodiu nos anos 60 com o lançamento da primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor: A Turma do Pererê. Durante a Ditadura Militar (1964-1984) fundou com outros humoristas O Pasquim - um jornal não-conformista que fez escola, e até hoje deixa saudades. Seus quadrinhos para adultos, especialmente Superman e Mineirinho - o Comequieto, também contam com uma legião de admiradores.
Em 1969 Ziraldo publicou o seu primeiro livro infantil, FLICTS, que conquistou fãs em todo o mundo. A partir de 1979 concentrou-se na produção de livros para crianças, e em 1980 lançou O Menino Maluquinho, um dos maiores fenômenos editoriais no Brasil de todos os tempos. O livro já foi adaptado com grande sucesso para teatro, quadrinhos, ópera infantil, video-game, Internet e cinema. Uma seqüência do filme deve ser lançada em breve!
Seus trabalhos já foram traduzidos para diversos idiomas como inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e basco. Os trabalhos de Ziraldo representam o talento e o humor brasileiros no mundo. Estão até expostos em museus! Ilustrou o primeiro livro infantil brasileiro com versão integral online, em uma iniciativa pioneira.

 
Clique para ocultar a área de informações

ATRAÇÕES DA FEIRA


Stella Maris Rezende

Stella Maris Rezende

Stella Maris Rezende é mineira de Dores do Indaiá. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília, desenhista, cantora, escritora e atriz. Publicou dezenas de livros, para o público adulto e o infanto-juvenil. Recebeu prêmios importantes, como o primeiro lugar no Prêmio Jabuti (2012), na categoria Juvenil, com 'A mocinha do Mercado Central' (da Globo Livros), Prêmio Nacional de Literatura João-de-Barro (1986, 2001 e 2008), Altamente Recomendável para Jovens/FNLIJ (14 livros), Prêmio Barco a Vapor 2010/Fundação SM e três indicações ao Jabuti. No final dos anos 1970 e no início dos 1980, interpretou a Fada Estrelazul do programa Carrossel, TV Manchete/Brasília, e a Tia Stella do programa Recreio, TV Record/Brasília. Viveu parte da infância em Belo Horizonte, mudou-se para Brasília em 1962 e desde 2007 vive no Rio de Janeiro.

Clique para ocultar a área de informações

Letícia Wierzchowski

Letícia Wierzchowski

Nasceu em 4 de junho de 1972, em Porto Alegre - Rio Grande do Sul. Antes de se dedicar às letras, Wierzchowski estudou em uma faculdade de arquitetura, curso que não chegou a completar. Foi proprietária de uma confecção de roupas e trabalhou no escritório de construção civil de seu pai. Enquanto trabalhava neste último emprego, começou a escrever ficção. Seu romance de estréia, publicado em 1998 e relançado em 2001, “O anjo e o resto de nós”, conta a saga da família Flores, ambientada no início do século XX no interior do Rio Grande do Sul. O grande sucesso literário de Letícia viria com o romance “A casa das sete mulheres”, adaptado pela Rede Globo numa minissérie que foi ao ar em 2003 e reexibida em 2006. Instada por seus editores a escrever uma continuação da saga das sete mulheres gaúchas durante a Revolução Farroupilha, recusou-se de início, pois tinha outros projetos literários. No entanto, acabou cedendo às pressões e lançou “Um farol no pampa”, em que retoma a vida dos personagens d’A casa. Lançou em 2006 sua décima-primeira obra, “Uma ponte para Terebin”, em que narra a história de seu avô polonês. Ao mesmo tempo, trabalha, em parceria com o escritor Tabajara Ruas, no roteiro cinematográfico de O Continente, baseado na obra de Érico Veríssimo.

Clique para ocultar a área de informações

Kiusam de Oliveira

Kiusam de Oliveira

Doutora em Educação, mestre em Psicologia e especialista em temáticas étnico-raciais, Kiusam é autora do livro O Mundo no Black Power de Tayó, que está na lista de 13 livros infantis para ensinar às crianças a importância dos direitos humanos, criada pelo jornal Brasil Post. Sua obra trata com profundidade das causas do movimento negro..

Clique para ocultar a área de informações

Família Falcote

Família Falcote

Jerri Costa e Taise Teixeira, ele cartunista, ela artista plástica, se conheceram em 2007 durante as gravações do filme Super Falcote Contra a Gangue do Kalloty, gravado em Cachoeirinha/RS.
Juntos criaram a Família Falcote, uma revista em quadrinhos que conta histórias educativas e usam como personagens sua própria família.
Jerri havia criado o personagem Super Falcote , que combate o calote, para o longa metragem com a esperança de tornar suas histórias conhecidas e Taise criou a Super Mei, que combate a mentira e também fez com que Jerri voltasse a criar seus gibis.

Jerri Carlos Cardoso da Costa nasceu em Porto Alegre/RS em 1973 morador de Gravataí/RS é cartunista, chargista, roteirista e ilustrador, recordista brasileiro pelo Rank Brasil, desenha desde os 6 anos e sempre trabalhou com quadrinhos.
Taise Teixeira Lima nasceu em Porto Alegre/RS em 1980 é artista plástica e criou o projeto Ilustrando a vida onde ilustrou com temas educativos mais de 100 escolas, também o projeto Quadrinhos na Escola, onde as crianças criaram sua própria HQ. 
O casal trabalha junto há 7 anos e já foram responsáveis pelo primeiro longa metragem filmado em Cachoeirinha/RS, criaram a revista em quadrinhos Família Falcote onde os personagens são sua própria família e já vendeu mais de 100 mil exemplares. Atualmente, além de suas HQs, divulgam seus dois novos dvds de oficina de desenho e seus fantoches com os personagens Super Falcote e Super Mei. 
Em 2010 escreveram o livro Falcotinho e o Cometa Azul, somente 4 anos depois resolveram tornar a ideia uma realidade e o casal de desenhistas entra pela primeira vez na literatura infantil.

Clique para ocultar a área de informações

Carlos Moore

Carlos Moore

Escritor, pesquisador e cientista social cubano, Moore dedica seu trabalho ao registro da história e da cultura negra. Em sua autobiografia, o ativista e dissidente de seu país de origem conta os passos errantes de sua carreira ao longo de mais de cinco décadas. Atualmente, vive em Salvador (BA).

Clique para ocultar a área de informações

André Neves

André Neves

André Neves nasceu em Recife aos 31 de outubro de 1973 e graduou-se em Relações Públicas e em Artes Plásticas. Introduzido no mundo das letras desde muito cedo por sua mãe, que era professora, escreve e ilustra profissionalmente desde 1998. É autor de mais de cinquenta obras, pelas quais conquistou prêmios e renome no Brasil e no exterior. Atualmente mora em Porto Alegre e promove palestras e oficinas sobre literatura infantil e juvenil Brasil afora, além de ter participado do curso de ilustração para infância em Sarmede, na Itália, isso tudo sempre em vista de realizar sua grande paixão: desenhar para crianças.

Formado em Relações Públicas e em Artes Plásticas, que começou a estudar em 1995. Desde então, atua como escritor e ilustrador de suas obras e de outros autores. É arte-educador e promove palestras e oficinas sobre Literatura Infantil e Juvenil. Desde 1998, vem desenvolvendo trabalhos como autor, ilustrador e arte-educador. Participou do curso de ilustração para infância em Sarmede, na Itália. Em 2002, seu trabalho como ilustrador do livro “Sebastiana e Severina” foi selecionado para a mostra itinerante “XX Mostra Internazionale d’ Illustrazione per I’infanzia Stepan Zavrel” na Itália, onde percorreu várias cidades para colorir os olhos de muitas crianças. Pelos seus trabalhos, foi agraciado pela FNILJ – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil com o Prêmio Luis Jardim (Melhor Livro de Imagem) e recebeu menções de “Altamente Recomendável”

Depois de formado, André Neves viaja por todo o Brasil para desenvolver sua verdadeira paixão: desenhar para crianças.

É autor e ilustrador dos livros infantis: “Um pé de vento”; “Caligrafia e Dona Sofia”; “Colecionador de Pedras”; “O enigma das caixas”; Menino chuva na rua do sol”; ” Mestre Vitalino”; “O ovo e vovô”; “A seca”; “O segredo da arca de Troncoso”; “Uma história sem pé nem cabeça”; “Vira, vira, vira lobisomem”; “Maria Peçonha”; “Sebastiana e Severina”, 

As ilustrações do premiado André Neves são coloridas e harmoniosas, dando vida à poesia presente no texto.

Clique para ocultar a área de informações

Ana Cardoso

Ana Cardoso

É jornalista e nasceu em Curitiba em 1977. Mudou-se para Florianópolis em 1999, onde trabalhou com esportes radicais na Rádio Atlântida por seis anos, pesquisou rádios e assentamentos do MST e concluiu um mestrado em Sociologia Política. Aos 26 virou feminista, aos 27 casou com o também jornalista Marcos Piangers, aos 28 teve sua primeira filha, Anita. A segunda, Aurora, nasceu sete anos depois. Vive em Porto Alegre desde 2006, envolvida até o último fio de cabelo com pesquisas sociológicas, grupos feministas e a família. É autora do livro “Mamãe é Rock”.

Clique para ocultar a área de informações

Alexandre Lucchese

Alexandre Lucchese

Natural de Realeza, PR, o jornalista Alexandre Lucchese nasceu em 17 de julho de 1982 e vive em Porto Alegre desde 2001. Atualmente, é responsável pela cobertura de livros no jornal Zero Hora, para o qual também já produziu reportagens especiais sobre a banda Engenheiros do Hawaii e o álbum Rock Grande do Sul. Fez a primeira biografia da banda Engenheiros do Hawaii, “Infinita Highway: Uma Carona com os Engenheiros”

Clique para ocultar a área de informações

Adriana Carranca

Adriana Carranca

Jornalista, Adriana escreve principalmente sobre conflitos, intolerância religiosa e direitos humanos, com olhar especial sobre a condição das mulheres. É colunista dos jornais Estadão e O Globo. Repórter talentosa, já acompanhou de perto alguns dos conflitos mais sangrentos da África, como as guerras na República Democrática do Congo, Sudão do Sul e Uganda. Também foi correspondente na ONU, em Nova York.
 

Clique para ocultar a área de informações

ATIVIDADES DA FEIRA

    Eventos culturais

    Eventos culturais

    Além da literatura, peças de teatro, cinema, apresentações musicais estão na programação

    Sessão de Autógrafos

    Sessão de Autógrafos

    Quase 30 escritores irão autografar seus livros - entre eles o escritor infanto-juvenil Ziraldo

    Encontro com Escritores

    Encontro com Escritores

    Mais de 40 encontros de escritores com o público ocorrerão no Auditório Ziraldo

    Contação de Histórias

    Contação de Histórias

    Equipe da secretaria da Cultura irá promover mais de 30 contações de história

IMPRENSA

    Última notícia
  • 27-04-2017 15:04
    Se depender do Xerife, não faltará poema na Feira do Livro

    Artista local, Odair Fonseca será o responsável por badalar o sino de abertura e fechamento diário do evento - tudo com muita arte cênica e poesia Como um bom Xerife, Odair já está realizando a pré-temporada da 33ª Feira do Livro de Canoas, que começa no dia 24 de junho, na Praça da Bandeira. Escalado pela secretaria da Cultura, ele terá a missão de levar alegria e entretenimento aos amantes da literatura. Segundo ele, o desafio está aceito - e a tarefa não será difícil. Com um currículo extenso - Fonseca é ator, contador de histórias, artista circense e diretor de teatro -, o...

Baixe os arquivos
  
Fotos e Vídeos
  
Artes
  
Releases
Contato

Faça contato com a assessoria de comunicação da Feira do Livro para obtenção de informações e de material de divulgação.

Email: imprensa@canoas.rs.gov.br
Fone: (51) 3236-1300
Endereço
Rua 15 de Janeiro, 11 - Canoas

LOCALIZAÇÃO DA FEIRA